16 julho 2018

35


Quando acordas com 35 e nem dás conta.

Parabéns a mim, a chefa da tribo faz anos.
Adoraria ter aquelas reflexões profundas sobre a vida mas não me ocorre nada de especial. Na verdade não sou pessoa de grandes lamechices.

Eu sou mais da gargalhada, da boa disposição e copo na mão.

Tenho 35 anos kralhes e hoje vou celebrar com as minhas pessoas.

*****
 Instagram @blog_ohcutxicutxi | Facebook  



12 julho 2018

As memórias da minha infância com UHU

Lembro-me tão bem da minha escola primária, da professora Ilda e dos colegas com quem partilhei 4 anos da pequena infância.

Havia o gordinho, a graxista, o que se engasgava a ler, a que ia sempre de mini saia (espera essa era eu), o chorão, entre outras personagens típicas da escola primária.  

Lembro-me do excitex que era ir ao supermercado em Setembro comprar o material, a mochila nova, os cadernos, lápis de colorir e a cola UHU. O cheiro a livros novos era algo mágico que nos enchia de vontade de voltar à escola repletos de expetativas para o novo ano.

Também me recordo do quanto a minha mãe se esforçava para forrar os livros com papel autocolante sem deixar bolhas pelo caminho. Aliás no meu tempo as melhores mães eram aquelas que conseguiam deixar os livros imaculados e com bonitos remates. Era assim uma espécie de concurso em que elas davam tudo para não fazer má figura. 

As aulas eram uma seca, à exceção dos momentos dos trabalhos manuais em que fazíamos coisas com papel de lustro, picotávamos figuras coloridas para depois as colar em algum lado. Atualmente já não se usa o pico por questões de segurança, mas era a minha atividade preferida.  

Lembro-me também de despejar cola para as mãos e deixar secar para depois ter o gosto de tirar pedacinho a pedacinho. Quem também fazia isto? Continuo a fazê-lo quando me apanho com um tubo de cola, mas eu ainda sou uma criança num corpo de adulto.

Por último e não menos importante recordo-me de cheirar cola propositadamente. Não sei para que o fazíamos mas que era divertido, lá isso era.

A UHU faz parte da minha infância e por isso aceitei este desafio lançado pela marca para vos falar do quanto foi feliz a minha juventude.

Velhos tempos que já não voltam (suspiro)

Adivinhem lá onde está a jeitosa 

06 julho 2018

Pessoas más ide tomar no cu

Já deviam saber que eu sou um trolha mas em feminino!

Como é que sustentas essa vida de luxo? pergunta indignada uma pessoa estranha, que apesar de me odiar está sempre lá a dar visualizações ao que publico. 

Tudo depende da interpretação que cada um faz sobre "vida de luxo". 
Para mim vida de luxo é ter uma mansão com piscina de cascata e sala de cinema, empregados para tudo, um closet repleto de Luises e Herreras, garagem com ferraris, jato particular e um gajo vestido de pinguim que nos transporta a qualquer lado, nem que seja para ir ao Drive aviar um Sundae. 

Atão é assim, feliz ou infelizmente eu não tenho uma vida de luxo. Quem me dera ter criados para tudo, daqueles que até limpam o cu às damas e sacodem a gaita aos príncipes. Não sei se existem serviçais com estas competências, mas no meu imaginário da vida dos ricos quero acreditar que há criados para tudo. 

Lá porque uma pessoa sai de casa ao fim de semana, tira fotos giras ou faz uma escapadinha para poder pinocar sem interrupções, não quer dizer que tenha vida de luxo. Chama-se viver, unica e exclusivamente. 
Minto, praticar o acasalamento sem nos preocuparmos com decibéis é um luxo, mas só o descobrimos depois sermos pais. 

Eu viajo, sim é verdade e isso faz confusão a muito boa gente. Onde é que vamos ao dinheiro, como é que conseguimos, só podemos ser de famílias ricas, pensam. 
Viajar é uma opção como qualquer outra. Cada um gasta o seu dinheiro como quer e esta família escolheu conhecer o mundo. Na minha tribo não vivemos à grande e à francesa. Aqui fazem-se opções e poupamos muito para podermos sair do país. Depois também trabalhamos, que sempre ajuda naquela parte prática de ter dinheiro. O meu marido trabalha mais de 12 horas por dia, de segunda a sábado, portanto o seu esforço pessoal tem de ter alguma compensação. Eu também tenho a minha profissão e apesar de ganhar o mesmo há 10 anos, normalmente consigo que sobre alguma coisa para o porco mealheiro. 

Da mesma forma que conheço sítios giros também limpo raspetas das sanitas, faço comida, aspiro ursos de cotão debaixo das camas e acordo às 6h de domingo para passar a ferro. Já tive ajuda externa, mas achei que os 100€ que gastava por mês não compensavam o trabalho que faziam e sempre é mais esse que sobra. 

Obviamente que sei de vidas complicadas em que as pessoas vivem mal e que basicamente vão sobrevivendo. Eu lamento muito e sou a primeira a estender a mão quando alguém precisa de ajuda.

Portanto de maneiras que é isto. 

Não me odeiem, eu até sou boa pessoa. 
Cada vez que vêm despejar veneno nas contas das pessoas que seguem, morre um girino no Lago Titicaca, por isso pensem duas vezes antes de fazê-lo. 

Não invejem a vida dos outros, encontrem estratégias, definam prioridades e organizem as vossas vidas de acordo com os vossos gostos e sonhos. Não há maior realização pessoal do que alcançar um sonho, seja ele qual for.

Já agora, sigam a minha vida altamente luxuosa regada a Moet Chandon no Instagram
@blog_ohcutxicutxi


05 julho 2018

Crianças e Piscinas todo o cuidado é pouco

Cuidado com as piscinas, cuidado com os miúdos quando chegam ao destino de férias, cuidado com o sol. Ouço sempre estas recomendações na consulta de pediatria dos meus filhos antes do verão.

As piscinas proporcionam momentos de grande de diversão para crianças e adultos mas também podem ser locais muito perigosos e acidentes acontecem todos os anos nesta altura de férias.

O segredo é não facilitar, vigilância máxima, não podemos baixar a guarda quando há piscinas por perto. 

O verão é também propício a festas com familiares e amigos. Casa cheia, muita gente para observar as crianças, mas na verdade ninguém vê nada. Todos sabemos que é fixe estar de conversa com a malta, a beber uma caipirinha e a casa pode até ter 30 pessoas lá dentro mas os acidentes acontecem na mesma. 

Conheço um caso de um menino na minha zona que se afogou na própria casa.  Era daqueles encontros familiares em que baixamos a vigilância porque supostamente há muita gente a ver. O menino não faleceu, mas ficou seriamente limitado para o resto da vida. 

O meu pediatra também fala muitas vezes no cuidado redobrado quando chegamos ao destino de férias e recomenda que haja um adulto responsável para vigiar os miúdos. Isto porque chegamos, a adrenalina para conhecer o alojamento aumenta, confusão a fazer check-in, a malta distraí-se e quando damos conta os miúdos desapareceram da nossa vista e sabe-se lá onde se enfiaram. 
Muitos acidentes acontecem precisamente à chegada aos locais porque baixamos a guarda.

Por último o sol. Muito cuidado com a exposição solar nas horas do calor, ninguém quer putos de churrasco. 

Que seja um "verão" memorável e sem incidentes para todos nós. 


*****
Sigam o Instagram @blog_ohcutxicutxi | Facebook  

04 julho 2018

Aos meus amigos (muitos e bons)

Há quem tenha poucos e bons, há quem não tenha e não lhe faça falta, há quem tenha apenas 1 mas especial e depois há quem tenha muitos e espetaculares.

Eu faço parte do último grupo e sinto-me tão abençoada por os ter a caminhar a meu lado. A verdade é que sempre tive facilidade em fazer amigos, sou uma pessoa extrovertida, que gosta de aproveitar a vida ao máximo e penso que quem me rodeia identifica-se com esta minha maneira despreocupada. 

Tenho amigos desde a escola primária com quem continuo a relacionar-me diariamente (inclusive é madrinha do meu filho), tenho amigos do secundário, amigos da universidade, os amigos de infância, colegas de trabalho e aqueles que se vão juntando aos diversos grupos e que acabam por ficar.

Quando eu falo em amigos, são amigos a sério. Os que estão sempre lá para o bom e para o mau. Aqueles que ligam constantemente só para dizer olá, ou vai tomar no cu. Os que chamam à razão quando estás a ser estúpida, os que não passam paninhos quentes só para ficarem bem na fotografia.
 Também há aqueles mais ausentes mas que continuam guardados num cantinho especial do nosso coração (Marta Bigio esta é para ti, beijinho para Singapura). 

O meu leque de amigos é super distinto, muitas personalidades diferentes e é por isso que o gang se torna tão especial. 

Há o fanfarrão, o super chef do pedaço, temos a drama queen, a suvina, a parideira, a viajada, a rambóieira, o espalha braças, a que vive no mundo da lua, o catequista, a bebedolas, há de tudo um pouco. Também há pessoal normal, mas a verdade é que são poucos, muito poucos mesmo. 

Depois os meus amigos passam a vida a inventar motivos para estarmos juntos. Há festas a toda a hora, há jantares, fins de semana aqui e ali, enfim é uma malta muito dada à fanfarronice, ao álcool e à palhaçada. 

Na agenda anual temos o Natalinho, o Reveillon, a Summer Party, o Magustinho, o Cuzinho Eu (uma espécie de Masterchef) entre outras efemérides que vão acontecendo pontualmente. 

Os meus amigos também são muito empreendedores, temos organizadores de eventos, já conhecem as festas da Pimenta Rosa?; pessoas que abdicam de carreiras para abrir o melhor restaurante de peixe fresco de Setúbal Sangue na Guelra; malta das piscinas LinAstecPool; o homem das energias renováveis com Energia Infinita e também amigos com marcas de Swimwear, Paraíba Swimwear.  Também dá sempre jeito os amigos das Peças para os carros Doisap Peças

Manter uma amizade não é fácil. Precisamos saber ouvir, perdoar, ter capacidade para nos metermos no papel do outro e perceber que há dias menos bons para todos. Também é fundamental ser ativo na relação, não estar à espera de "um dia destes vamos combinar". Para as amizades resultarem temos de ter espírito de iniciativa, mesmo que sejamos sempre nós a tê-la. As pessoas são todas diferentes, há pessoas menos ativas e se o amigo não liga, ligamos nós.

Brindemos aos amigos!


*****
Sigam o Instagram @blog_ohcutxicutxi | Facebook  

03 julho 2018

Paraíso ali ao virar da esquina #12 Tivoli Évora Ecoresort


Aqui na tribo o aniversário de casamento é sinonimo de escapadinha a dois e o local escolhido para celebrar as bodas de cerâmica (9 anos) foi o Tivoli Évora Ecoresort, antigo Ecorkhotel. 

Uma paz reconfortante é como defino este hotel ecológico situado em pleno alentejo.
Há muito tempo que não estava num local tão calmo e acolhedor.

O Tivoli Évora é um resort composto por um edifício principal revestido a cortiça, decoração tipicamente mediterrânica e uma piscina com uma vista incrível.

As suites são casas independentes umas das outras com um pátio individual e super acolhedoras. Aqui a privacidade é garantida.

Como pretendíamos desligar completamente optamos por não sair do hotel e fizemos as refeições no snack bar de apoio à piscina e no restaurante Cardo, com uma carta de comida típica e mediterrânica.

O Tivoli Évora está rodeado de oliveiras e sobreiros, tem ovelhas e um burro que pasta nos jardins do hotel durante todo o dia. Há também bicicletas disponíveis para quem queira passear pelo montado.

É um turismo rural, requintado e com grande preocupação ambiental onde poderia passar 1 semana sem me aborrecer muito. Para os mais ativos a cidade de Évora fica apenas a uns breves minutes e merece uma visita, assim como a adega Cartuxa. 



Fato de banho Paraíba Swimwear 




FOOD





SUITES












Foram apenas 2 dias a dois mas pareceu 1 semana. Todos os casais deveriam tirar uns dias para cultivar a relação, para estar juntos sem a interrupção de mini pessoas, para passear ao sabor do momento, para conversar ou simplesmente estar ali na companhia um do outro.

DICA: Reservei a nossa estadia no Booking com uma promoção fantástica, por isso estejam atentos às plataformas de reservas porque quando menos esperamos surgem preços muito bons. 

Mais opções de locais TOP em Portugal na rubrica 

*****
Sigam o Instagram @blog_ohcutxicutxi | Facebook  

27 junho 2018

18 anos lado a lado


9 anos de namoro, 9 anos de casados, mais de metade das nossas vidas lado a lado.

Uma relação que começou nos tempos de escola e que se mantém firme até hoje. São 18 anos em comum, muitas experiências vividas, muitos sonhos traçados e projetos futuros para concretizar.

Tem sido uma longa viagem, por vezes com alguma turbulência e choque de personalidades, mas assim é a vida. Desengane-se quem ache que construir uma família é um mar de rosas como nas histórias da Disney. 

Viver a dois é partilhar coisas boas e más, respeitar o outro e estar sempre lá para o que der e vier.

Nós fomos feitos um para o outro, disso não tenho dúvidas.

Hoje estamos de parabéns, celebramos 9 anos de casados e que dia feliz tivemos. Eu chorei baba e ranho a entrar na igreja ao som da Ave Maria, demorei uns 5 minutos para dizer aquela parte da troca de alianças, soluçava que nem uma doida e 2 das minhas damas de horror chegaram meia hora depois do casamento! 

O meu tio fez Strip tease durante o almoço, os amigos apanharam uma bezana e depois da festa ainda fomos para a discoteca local. 

Eu tinha 55kg, vesti um vestido Pronovias cheio de folhos e amei. Continuo a amar não vale a pena virem dizer que é azeitola.

Parabéns Mr. & Ms. Rodrigues Inácio.



*****
Follow me: Instagram @blog_ohcutxicutxi | Facebook  

  

25 junho 2018

Meninos com colares? SIM

Não sei quem inventou a lenda de que colares são coisas de meninas, rosa é coisa de meninas, brincar com cozinhas e tachinhos é coisa de meninas. 

Discordo em tudo. Não há coisas de meninas, nem coisas de meninos. Há coisas de crianças e isso é quase transversal a todo o universo infantil.

Colares também são para rapazes e ficam super amorosos.
Os meus índios adoram todo o tipo de acessórios e eu deixo usar tudo o que quiserem, dentro do razoável!

Estes colares dos super heróis da A Menina Conta são os preferidos cá em casa.
Adoro a originalidade.










*****
Follow me: Instagram @blog_ohcutxicutxi | Facebook  
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...